Refugiados: A Última Fronteira

Refugiados: A Última Fronteira

Por: R$ 69,90

Preço a vista: R$ 69,90

5% de Descontono boleto
Comprar

+ infos
> book preview
> book trailer
ISBN:
978-85-66636-69-7

“HAROLD SCHECHTER SOU EU NO ESPELHO”

ILANA CASOY, ESPECIALISTA EM SERIAL KILLERS NO BRASIL

Gênero
Não-Ficção
Páginas
400
Idioma
Português
Formato
14x21cm
Peso
280g
Acabamento
Capa Dura
Corte
Colorido

ENTRE NA MENTE DOS PSICOPATAS -

O que faz gente aparentemente normal começar a matar e não parar mais? O que move – e o que pode deter – assassinos em série como Ed Gein.

SOBRE O AUTOR +

O que faz gente aparentemente normal começar a matar e não parar mais? O que move – e o que pode deter – assassinos em série como Ed Gein, o psicopata americano que inspirou os mais célebres maníacos do cinema, como Norman Bates (Psicose, de Alfred Hitchcok), Leatherface (O Massacre da Serra Elétrica, de Tobe Hooper) e Hannibal Lecter (O Silêncio dos Inocentes, de Jonathan Demme). Como explicar a compulsão por matar e o prazer de causar dor, sem qualquer arrependimento? De onde vem tanta fúria? As respostas estão no livro da editora DarkSide® Books: SERIAL KILLERS: ANATOMIA DO MAL, dossiê definitivo sobre o universo sombrio dos psicopatas mais perversos da história. Escrito por Harold Schechter – que pesquisa o tema há mais de três décadas e já publicou, inclusive, a biografia de Ed Gein, Deviant (1998) -, o livro é referência fundamental a todos os que se interessam pelo universo da investigação e da criminologia. Pontuado por curiosidades macabras, dados científicos e fatos pouco conhecidos sobre a trajetória dos principais criminosos em série dos Estados Unidos, SERIAL KILLERS: ANATOMIA DO MAL abrange desde a criação do termo serial killer no início do Século XX (conforme exibido na série MINDHUNTER, da Netflix) até o fascínio exercido por matadores seriais na cultura pop (cinema, música e literatura). Com clareza, ritmo e muita informação, Harold Schechter traça perfis psicológicos impressionantes de criminosos que desafiaram a polícia, viraram notícia e continuam a nos assombrar nas telas da TV e do cinema. Além de Ed Gein, a galeria de personagens sinistros inclui o cannibal Jeffrey Dahmer, que chegou a matar e devorar uma pessoa por semana no verão de 1991; a ex-prostituta Aillen Wuornos (inspiração para o filme Monster), que, depois de confessar seis assassinatos, pediu para ser condenada à morte para interromper a matança; o assassino Zodíaco (cuja verdadeira identidade é desconhecida até hoje); Charles Manson, o lunático que comandou o assassinato da atriz Sharon Tate em um ritual macabro; e Green River Killer, principal assassino de prostitutas da história, só capturado pela polícia com a ajuda de outro serial killer. Em SERIAL KILLERS: ANATOMIA DO MAL você vai descobrir como eles matam e por que matam. Por prazer, dor, amor ou desespero. Por conta de famílias disfuncionais e infâncias perturbadoras. Em nome do demônio ou para o jantar… Histórias reais, assassinos reais, de uma maneira que você nunca viu, estudados com profundidade, rigor científico e conhecimento psicológico. Um livro fundamental para quem se apaixonou por MINDHUNTER, CSI, Dexter, Criminal Minds e para quem acompanha o canal Discovery Investigation e quer entender o que se passa na mente dos assassinos mais temidos e cruéis de todos os tempos. Sem dúvida, oriundos de um sociedade que precisa repensar urgentemente como cicatrizar essas feridas abertas.

A linha editorial que ama a nona arte.

CADASTRE-SE.
ENTRE PARA A FAMÍLIA

FIQUE POR DENTRO E RECEBA NOVIDADES, PROMOÇÕES, KITS EXCLUSIVOS EM PRIMEIRA MÃO.

Filtros

Filtrar PorLançamentos

Especificações de Produto

Publicação2018
Edição
SubtítuloTODOS NÓS DEVERÍAMOS PODER MUDAR SEGUINDO O VENTO E O CORAÇÃO
AutorEVANS, KATE
ISBN9788594541291
Frase de ImpactoUm trabalho emocionante e belo. [...] jornalismo em quadrinhos de verdade.
Autor FraseALISON BECHDEL, AUTORA DE FUN HOME E VOCÊ É MINHA MÃE?
Título DescriçãoTODOS NÓS DEVERÍAMOS PODER MUDAR SEGUINDO O VENTO E O CORAÇÃO
Sobre o AutorKate Evans é cartunista, artista, ativista, autora e mãe. Nascida no Canadá e criada na Inglaterra, estudou na Universidade de Sussex em Brighton, onde se envolveu em lutas políticas. Evans também se dedicou ao ativismo ambiental produzindo reportagens em cartuns para o The Guardian. É autora de Rosa Vermelha (wmf Martins Fontes, 2017), uma biografia em quadrinhos de Rosa Luxemburgo. Refugiados: A Última Fronteira é um dos seus trabalhos mais poderosos e recebeu prêmios importantes como o John C. Laurence Award, em 2016, e o Broken Frontier Award, em 2017. Saiba mais em cartoonkate.co.uk.

Detalhes do Produto

Peso250
Páginas176
Formato28x21
AcabamentoCapa Dura
GêneroNão Ficção
IdiomaPortuguês
CorteSem pintura

Review 1

Review Descrição 1Evans fornece uma visão humana diferenciada e rara de um mundo que a maioria das pessoas só espia pelos noticiários à noite.
Review Autor 1PUBLISHER’S WEEKLY

Review 2

Review Autor 2DAVID SCHAAFSMA, GOODREADS
Review Descrição 2Evans estava lá [...] ela não é neutra: está irritada e triste, e usa a arte para fazer essas pessoas nos acampamentos ganharem vida.

Review 3

Review Descrição 3É impossível ler Refugiados: A Última Fronteira sem sentir uma resposta emocional de indignação, ternura e profunda frustração
Review Autor 3JAMES YEH, VICE

Review 4

Review Autor 4ELEANOR SHEEHAN, POPSUGAR
Review Descrição 4Kate Evans apresenta um registro comovente e visceral das famílias e conversas que testemunhou no campo de refugiados.

Review 5

Review Descrição 5“Refugiados: A Última Fronteira é a história real que concede um
Review Autor 5BOOK RIOT

Vídeo e BookPreview

Book Preview
Na cidade portuária francesa de Calais, surgiu uma cidade dentro de uma cidade. Conhecida como “Selva”, essa esquálida favela de contêineres e barracas foi lar de milhares de refugiados, principalmente do Oriente Médio e da África, todos esperando, de alguma forma, chegar ao Reino Unido.

Rodeadas por ratos e lixo, e privadas de qualquer saneamento básico ou segurança, essas pessoas são o retrato de uma crise humanitária refletida em diversos cantos do mundo. E é com maestria que a quadrinista Kate Evans lança uma luz sobre essa história na premiada história em quadrinhos REFUGIADOS: A ÚLTIMA FRONTEIRA, lançamento da DarkSide® Graphic Novel.

Combinando as técnicas de reportagem de testemunhas oculares com a arte sequencial, Kate Evans criou uma obra cheia de imagens pungentes, chocantes, irônicas e comoventes. Voluntária no campo de refugiados de Calais, a quadrinista viu de perto o horror e sofrimento de milhares de pessoas que precisaram abandonar tudo aquilo que conheciam para buscar um novo lar e dignidade.

Tal experiência conferiu à graphic novel um caráter intrinsecamente jornalístico que examina a crise de refugiados através de múltiplos ângulos: moral, político e econômico, no melhor estilo do gênero consagrado por Joe Sacco. O local acabou sendo evacuado, mas REFUGIADOS: A ÚLTIMA FRONTEIRA retrata esse momento da história de forma atemporal.

Ao mesmo tempo, ela também entremeia na narrativa suas próprias convicções sobre a crise de refugiados. Kate Evans apresenta um trabalho pessoal, uma verdadeira janela para o leitor conhecer suas experiências ao testemunhar uma história tão dolorosa. E, com seu traço poderoso em estilo, concede emoção aos personagens, retratos dos habitantes reais do campo, e suas histórias.

Os leitores que se emocionaram com o relato de Myriam Rawick, a jovem menina que compartilhou seus dias na Guerra da Síria em O Diário de Myriam, certamente encontrarão uma experiência verdadeira e delicada no relato de Kate Evans em REFUGIADOS: A ÚLTIMA FRONTEIRA. Um vislumbre nas vidas de pessoas em situação tão urgente que merecem empatia, acolhimento, direitos e compreensão.

Todos deveríamos poder ir e vir, descobrir e redescobrir, visitar, mudar, trocar de lugar seguindo o vento e o tempo do coração. Cabe a nós buscar informação e fazer parte da grande mudança. REFUGIADOS: A ÚLTIMA FRONTEIRA é um alerta para um dos debates mais importantes e prementes da sociedade em que vivemos, no momento em que observamos o maior deslocamento involuntário de pessoas desde o fim da Segunda Guerra Mundial, com mais 68,5 milhões de refugiados ao redor do planeta. Um lembrete para construirmos mais pontes, e menos muros.

Similares